shadow

Quando Descobres que teu Parceiro anda a Trair

Quando descobrires que o teu parceiro te anda a trair.

“Como pudeste fazer-me isto? Eu ter-te-ia amado até ao fim. Sei que te vais arrepender. A famosa canção do Alasca e Dinarama caricatura bem a raiva e a sede de vingança que uma pessoa sente quando descobre que seu parceiro foi infiel a ele.

Isto é cada vez mais comum se tivermos em conta o recente estudo realizado pelo Instituto IPSOS, segundo o qual cerca de um terço dos casais no nosso país cometem adulterio, o que nos dá a duvidosa honra de estarmos à frente da Europa nesta matéria.

30 % dos portugueses confessam ser infiéis. Cabe ao resto descobrir e, o mais difícil, assimilá-lo.

De acordo com dados fornecidos pelo site de contato de Ashley Madison, o retrato do homem infiel corresponde a alguém de 43 anos, casado, com poder de compra médio-alto e, por profissão, empresário, gerente, médico ou advogado.

Quanto à mulher, ela tem uma idade média de 34 anos, em 67% dos casos é casada e trabalha como administradora, professora, gerente ou dona de casa. As percentagens de infidelidade entre ambos os sexos são as seguintes: 35% deles e 26% delas admitem ter tido pelo menos um caso fora do casamento.

72% dos homens consideram que a infidelidade sexual é pior do que a infidelidade emocional, enquanto 69% das mulheres consideram que a infidelidade emocional é a mais grave.

Trata-se de infidelidade, uma questão espinhosa onde há um duplo padrão. Segundo o estudo IPSOS, a grande maioria da população (83%) acredita que é possível ser fiel à mesma pessoa durante toda a vida, enquanto 65% acredita que é possível estar apaixonado por duas pessoas ao mesmo tempo. Como pode haver tal contradição?

Esteban Cañamares, psicólogo clínico e autor do livro ¿Por qué le es infiel? (Editorial Amat), nos conta como a contradição lida com razões antropológicas profundas: “Por um lado, somos seres curiosos que buscam aventuras e novas formas de amar, mas como primatas precisamos de estabilidade emocional.

São duas tendências opostas que habitam nosso interior. Isso resulta de  buscamos ser atraentes e ao mesmo tempo seduzir novas pessoas, mas ao mesmo tempo queremos que nosso parceiro seja fiel a nós. Uma das consequências disto é que cerca de 13% das crianças não são de seus pais oficiais.

É claro que tudo é muito divertido enquanto manténs as tuas infidelidades em segredo. Mas os problemas aumentam quando o nosso parceiro nos descobre. O doutor Cañamares assegura que o infiel é geralmente apanhado “por um lapso ou uma incongruência que faz com que o par enganado puxa comece a desconfiar”.

Afirma que: “Uma infidelidade é um bom momento para rever em profundidade a intimidade do casal: o estado das relações sexuais, a relação com os amigos e com a família toda”

Reações ao engano

Quanto às reações, o psicólogo lamenta que, como regra geral, elas sejam desproporcionais: “A maioria explode de raiva, aproxima-se do infiel no calor e inventa uma história de bom e mau.

Na realidade, deve-se fazer o contrário: refrear-se, refletir e perguntar-se se a infidelidade é pontual ou sistemática, para elucidar se se vai repetir ou não”. Neste ponto, um estudo da rede de encontros extraconjugais de Gleeden mostra que 16% dos adúlteros repetiram sua experiência antes de passar dois meses da primeira e 21% antes dos seis meses do início de sua vida de infiéis.

A reação da pessoa enganada será mais ou menos zangada dependendo de diferentes fatores, como o caráter ou o gênero, e o motivo da infidelidade: não é o mesmo ser infiel por amor do que fazê-lo por prazer.

De acordo com uma pesquisa da rede de aventuras extraconjugais Victoria Milan, 72 % dos homens consideram que a infidelidade sexual é pior do que a infidelidade emocional, enquanto 69 % das mulheres consideram a infidelidade emocional como algo muito mais grave e difícil de esquecer.

Uma vez assimilada a realidade, chega o grande dilema: perdoar ou não perdoar? Esteban Cañamares: “Essa pergunta deve ser respondida segundo o que nos diz nosso cérebro e, sobretudo, nosso coração.

Mas é um bom momento para rever cuidadosamente todos os aspectos do casal: o estado das relações sexuais, a relação com os amigos e família de ambos.

Para isso, a ajuda profissional pode ser muito positiva, especialmente para analisar o problema de fora.

Se isto aconteceu contigo e está a ser difícil assimilares a traição do teu parceiro, ou se estás com muitas duvidas sobre a decisão que deves tomar, falar com um profissional pode ser-te de grande ajuda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *